Análise do Filme “Coach Carter – Treino para a vida”.

Coach_Carter_posterDurante um dos diversos treinamentos sobre liderança e qualidade no serviço público, um instrutor me apresentou um filme do qual eu tive pouco interesse, mas como a vida é uma quebra de paradigmas fomos desafiados a efetuar uma análise do filme no qual figuram grandes nomes do cinema americano, o qual passo a descrever aquele que me foi um dos mais prazerosos trabalhos desse curso:

1 – Introdução.

  1. 1 – O que o filme:

Trata-se de um filme americano baseado na história real da intervenção do treinador Ken Carter (Samuel L. Jackson) no time de basquete do ginásio Richmond, sua antiga escola e onde bateu vários recordes tendo assim feito seu nome na cidade.

  1. 2 – Do que fala o filme:

Agora já estabilizado e dono de uma loja de artigos esportivos, Carter não tem porque sair da sua zona de conforto para se meter a treinador de uma equipe de garotos problemáticos de uma área pobre e violenta da cidade, mas aceita o desafio, pois crê que pode fazê-los ir além daquilo todos esperam que façam (isso é mencionado várias vezes no filme). Para Carter o “esporte (basketball) é um privilégio e deve ser merecido, por alunos que freqüentem as aulas e tirem notas excelentes”.

 

2 – Mensagens transmitidas pelo filme:

  1. 1 – Desprendimento para começar um projeto – Logo no começo quando é convidado a assumir o time de basquete, o Sr. Carter não vê apenas como uma oportunidade de conciliar uma atividade secundária com uma atividade principal, ele realmente vê como um novo projeto a ser tocado, para tanto se dispõe a desprender-se da sua loja por um tempo e empreender naquele projeto que pra ele é mais do que levar uma equipe de basquete a vencer jogos do campeonato estadual, ele quer fazer aqueles garotos vencerem na vida!

 

  1. 2 – Método de trabalho – De imediato o Sr. Carter mostrou logo a que veio, determinou que estava no controle da situação e inovou ao celebrar um contrato de parceria com seus treinandos e responsáveis, dessa forma fazendo com que o principio básico da teoria geral dos contratos se estabelecesse: pacta sunt servanda. (contrato faz lei entre as partes), dessa forma temos:
  2. 2.2.1 – Deveres e obrigações: fazendo com que os jovens aprendam que na vida tudo tem um dever e uma obrigação e nada é dado de graça, e que toda transgressão tem consequemente uma penalidade (ex. chegar atrasado implicaria em mais exercícios físicos);

 

  1. 2.2 – Forma de tratamento e vestimenta: os garotos não se viam como pessoas importantes e, portanto não se tratavam como “Senhores” ou se vestiam adequadamente, colocando-os a falar e se vestir corretamente ele os fez se verem de uma forma melhor. Eram pessoas melhores do que jamais pensariam em ser e um simples pedaço de papel foi o pontapé inicial;

 

  1. 2.3 – Se tornavam pessoas de responsabilidade: agora como responsáveis pelos seus atos, eles entenderiam que as decisões que tomamos na vida, durante a vida toda, não são culpa da condição econômica da qual nascemos, da classe social ou ainda de outras pessoas que nos conduziram ao sucesso ou fracasso, mas sim da nossa própria responsabilidade, pois se quebrassem o contrato seriam penalizados e apenas poderiam responsabilizar-se a si mesmos pelo ocorrido.

 

2 – Estilo de liderança: O estilo inconfundível é o autoritário e não há como agir diferente diante de rapazes que nunca antes haviam experimentado os três pilares da marcha vitoriosa:

 

  1. 1 – Hierarquia – os rapazes nunca antes haviam encarado a situação de se submeter a receber ordens e instruções, quando ele os colocou em situação de serem liderados sob um comando firme eles começaram a entender uma das maiores verdades da vida: sempre existirá alguém em um posto imediatamente superior;

 

  1. 2 – Doutrina – havendo uma hierarquia deve-se aplicar a doutrina (ensinamento) básica o avanço da marcha rumo à vitória, esse ensinamento no filme passa por: condicionamento físico, ensaios de ataque e bloqueio e etc;

 

  1. 3 – Disciplina – havendo hierarquia e doutrina o desrespeito a essas instituições levará fatalmente à aplicação de sanções e penalidade, coisa que o americano e australiano gosta de dizer: “crime e castigo”.

 

 

3 – Ferramentas e Instrumentos de Trabalho: Carter se vale de diversas ferramentas para atingir o objetivo principal que não era apenas fazê-los uma equipe vencedora, ele queria mais e essa deve ser a visão do líder de sucesso! Sempre melhorar o estado das coisas, sem, contudo estabelecer metas e objetivos absurdos, senão vejamos:

  1. 1 – nomenclatura dos ataques e defesas: quando ele nomeia os ataques e formas defensivas com os nomes das suas irmãs, ele está dando singularidade e individualidade a cada ação, é importante termos em mente que cada processo deve ter uma denominação específica para que comuniquemos de forma clara e objetiva à equipe aquilo que queremos que seja feito, sob pena de depois ouvirmos aquele sonoro “não entendi bem o que você queria”;

 

  1. 2 – verificação de quantidade de erros e acertos: quando todos poderiam pensar que eles estavam avançando no campeonato estadual e entrar em euforia, Carter nos ensina que antes de comemorar as vitórias devemos primeiro fazer um balanço dos números de erros cometidos até então, para que possamos subtrair das vitórias e ver qual o real tamanho da conquista ou avanço da nossa coluna;

 

  1. 3 – Ensino a não subestimar o objetivo a ser conquistado (ter o pé no chão): quando os rapazes já estavam se achando os invencíveis e até chacotas faziam dos adversários, Carter nos mostra que quanto mais alto subimos mais dignos devemos nos portar, de forma que entendamos que todos tem importância no processo de vida, e mesmos aqueles a quem já superamos quer seja em conhecimento ou em postos de trabalhos também merecem respeito e se deve conquistar a admiração.

 

4 – Disposição para pagar o preço para alcançar o objetivo: Creio que uma das mais importantes lições que o filme nos passa é a de que o Treinador Carter (O “coach” do filme) estava disposto a pagar qualquer preço que fosse o mais alto que estivesse cotado para atingir seu objetivo, senão vejamos:

 

  1. 1 – Se tornou impopular ao fechar o ginásio da escola até que seus treinandos obtivessem as notas acordadas no contrato inicial;

 

  1. 2 – Teve sua loja depredada por vândalos por assumir a posição do item anterior;

 

  1. 3 – Teve sua autoridade contestada pelo conselho de educação da escola Richmond, não se dobrando ao vento das idéias contrárias.

 

 

5 – Conclusão:

O filme não conta uma história dos livros de fadas e encantos com um final feliz de vitórias da equipe, mas sobre a formação de seres humanos que antes só dispunha de uma visão da vida e do mundo e estavam fadados ao fracasso herdados de seus antepassados, mas que depois puderam escolher seus próprios caminhos de vitórias e derrotas pessoais a partir da experiência que tiveram a partir de então. Creio que todos nós assinamos contratos todos os dias com nossos sonhos e objetivos, vamos colocá-los em prática ou apenas amassá-los e jogá-los no fundo da gaveta?

See you later 🙂 !

Fernando “Eagle” de Sousa.

Ficha Técnica:

Direção: Thomas Carter

 

Anúncios

Sobre Fernando "Eagle" de Sousa
Apenas alguém interessado em aprender cada dia mais e mais.

One Response to Análise do Filme “Coach Carter – Treino para a vida”.

  1. Muito bom, gostei bastante. Quero deixar o endereço do meu site para você bit.ly/viver-de-negocios-online

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: