VMware VCenter Converter – Convertendo Máquinas Físicas em Virtuais

1 – INTRODUÇÃO
Começando mais um post sobre VMware®, gostaria também de os levar a uma reflexão: uma das maiores impulsionadoras das grandes invenções é justamente a necessidade, e para iniciar o assunto que leva o título, direi que talvez você tenha a necessidade de converter uma máquina física em uma virtual. Quem vive prestando suporte a usuários do SO da microsoft sabe que esse público está acostumado à forma como aquele ambiente trabalha. Agora imagine que você dispõe de uma máquina física com todos os plug-ins e softwares necessários ao seu dia-a-dia de prestador de suporte e consultoria e, necessite se deslocar por várias cidades, quiça por estados da federação, para prestar um suporte com qualidade? Nasce a necessidade da conversão de uma máquina física em uma máquina virtual.

Agora vamos à algumas considerações: Porque não criar uma máquina virtual e preparar todo o ambiente? Da minha forma de ver as coisas, não existe nada de errado com isso, ademais você poderia até efetuar aquele “bota fora” de arquivos e aplicativos que não necessita mais. Porém quando se tem programas proprietários dos quais a reinstalação necessitaria de entrar em contato com o suporte do desenvolvedor proprietário ou alguns dos quais não se encontra mais o instalador(e possivelmente não os irá encontrar na internet), sinto que o melhor seria efetuar a conversão e cortar caminho, que na nossa área é muito importante. Também advogo que o processo de conversão torna-se um aprendizado sem igual. A ferramenta que utilizaremos é nada mais nada menos que VMware vCenter Converter Standalone™, que pode ser baixado direto no site (https://my.vmware.com/en/group/vmware/evalcenter?p=converter). Então passemos à aplicação prática dessa tarefa, ou seja, Hand on!

2 – A MÁQUINA A SER CONVERTIDA
A máquina a ser convertida é um LENOVO™ i3 desktop com sistema Windows7® 32bits – 4Gb de memória RAM e HD de 320 – uma guerreira de 3 anos de serviços prestados, e que agora iria se juntar ao laboratório de pesquisas de redes e infraestrutura de TI, mas que ao longo desses 3 anos nos rendeu extensos aprendizados em sistemas legados, e outros que utilizam sobretudo a nova marca de segurança por token digital.

3 – INSTALANDO A APLICAÇÃO:

3.1 – Baixe o programa VMware vCenter Converter Standalone Client no link acima, e instale normalmente o programa à moda do windows (next, next, finish), nesse momento ele como a grande maioria de programa for windows cria um atalho na área de trabalho.

4 – PREPARANDO O AMBIENTE DE CONVERSÃO:

4.1 – Clicando no ícone do vCenter Converter o programa nos apresenta uma janela onde temos as seguintes opções: “configure machine” e “convert machine”.

4.2 – Clicando em “configure machine” (configurar máquina) o programa nos apresenta a tela de configuração com diversas opções, a documentação de utilização do software é rica em opções (enquanto escrevo esse artigo, ainda não consegui explorar todas), mas para esse momento nos bastará apenas a segunda opção (convert machine).

4.3 – Clicando em “convert machine” (converter máquina) o programa já apresenta a tela “conversion” e nos solicitará que indiquemos o “source system” (origem do sistema), onde temos o “select source type” (selecione o tipo de origem): “powered on” (ligada) e “powered off” (desligada), nesse ponto devemos selecionar “powered on” e logo abaixo clicando na seta dropdown a opção “This local machine” para que o programa entenda que a máquina a ser convertida é a própria que está em execução.

4.4 – Na próxima tela vem a secção “Destination System” na qual devemos selecionar a “destination type” – em nosso caso: “Vmware Workstation or other VMware virtual machine” – e “Select VMware Product” que em nosso caso setamos para: “VMware Workstation 11.x/12.x” dado ao nosso VMware Player estar na versão 12, talvez você deva selecionar outra opção dado suas necessidades.

4.5 – Em segida temos a seção “Options” onde podemos editar as partições a serem copiadas na conversão (Data to opy), os “Devices” a serem editados e as configurações que julgamos serem necessárias para essa conversão, ou seja, para que sejam replicadas na máquina virtual que virá a ser criada.

4.6 – Finalmente temos a secção “Summary” onde podemos verificar todas as configurações setadas até aqui, e verificar se estão configuradas de forma correta, uma vez que essa será a imagem da nossa nova máquina virtual, que atenderá à necessidade à qual delineamos no início. E finalmente clicamos em “Finish” para iniciar a próxima fase.

 

5 – CONVERTENDO:

5.1 – Nessa fase nos é apresentada uma tela com indicativo de identificação de tarefa (Task ID), indicação de trabalho alocado (Job ID), origem e destino previamente configuração por nós (source, destination), status com uma barra de progresso, tempo de início (dia e horário) e tempo estimado de término, este último importante se você tem agendado outras tarefas e se deseja ter uma estimativa de quanto tempo levará o processo, que em geral é rápido levando-se em consideração cada quantidade de dados a serem copiados e convertidos.

5.2 – Finalmente nos é apresentada a tela com o status de completa a conversão (“Completed”) indicando que a conversão foi terminada, se tudo correu bem até aqui nossa máquina virtual está pronta pra ser utilizada.

 

6 – UTILIZANDO:

Após transportar a pasta contendo os arquivos da VMware para outra máquina rodando LinuxMint (veja meu post anterior ) iniciamos a máquina virtual windows recem convertida, e agora como diriam alguns: “É somente correr pro abraço”.

 

 

Me despedi da máquina física entregando-a ao pessoal do grupo de segurança de infraestrutura, sabedor de que a “alma” da mesma continuaria comigo, onde quer que eu fosse, pelo tempo necessário, e mais um capítulo dessa minha saga com as VM’s da vida se encerrava. Até a próxima e See You later! 🙂

REFERÊNCIAS:

Download: https://my.vmware.com/en/group/vmware/evalcenter?p=converter
Manual: http://www.vmware.com/pdf/convsa_61_guide.pdf
Site de apoio: https://www.vivaolinux.com.br/artigo/Convertendo-sistemas-fisicos-em-maquinas-virtuais?pagina=4

VMware Player e VMware Center Converter  são marcas registrada de VMware

Windows é marca registrada de Microsoft Company

Anúncios

BPMS na nuvem – Uma visão Geral

Por muito tempo as ferramentas de BPMS só poderiam ser utilizadas após serem instaladas no ambiente da organização. Era necessária então a instalação do software em um servidor, após esta instalação era disponibilizada uma URL para os usuários acessarem o ambiente através de um navegador Web (normalmente para execução e acompanhamento dos processos automatizados). Também…

via BPMS na nuvem – uma visão geral — Blog da iProcess

Por fin, nueva versión de Skype para Linux (versión Alpha) — Ubuntu Life

Los usuarios de Skype para Linux desde hace mucho tiempo hemos sido siempre los grandes olvidados, pues las versiones para el resto de escritorios iban avanzando y se iban añadiendo nuevas funcionalidades y sin embargo no se desarrollaba ninguna versión actualizada para Linux. Hoy afortunadamente se ha anunciado una actualización de Skype y aunque aún […]

via Por fin, nueva versión de Skype para Linux (versión Alpha) — Ubuntu Life

Tudo Pronto para o CCNA Simulation Day 2016 — :: N E T F I N D E R S B R A S I L ::

Inscrições se encerram dia 15/07/2016 – Até agora, 56 candidatos disputarão 1 voucher para o Exame CCNA 200-120 no próximo domingo, dia 17/07/2016 as 20:00 horas.As 50 questões do Simulado proposto para o dia 17/07 já estão prontas. O valor arrecadado com as doações já passa os R$ 1.500,00 – portanto já temos um voucher…

via Tudo Pronto para o CCNA Simulation Day 2016 — :: N E T F I N D E R S B R A S I L ::

Aprenda a criar uma VPN site-to-site (ou qualquer outra) usando apenas o Cisco Configuration Professional (CCP) — Blog CloudCampus Networking Academy

Sim, é isso… este foi o tópico de uma das aulas do curso CCNA Bootcamp Hands-on e aparentemente despertou interesse nos participantes… assim, achei legal a idéia de criar um “how-to” passo-a-passo e disponibilizá-los para vocês. De quebra, tem uma pequena demo dos IOS-XRv rodando nos papéis de ISPs no cenário. Link para baixar os…

via Aprenda a criar uma VPN site-to-site (ou qualquer outra) usando apenas o Cisco Configuration Professional (CCP) — Blog CloudCampus Networking Academy

Dica: Sabayon Linux. Resolvendo os Problemas de Senhas de Root e Usuário (su e sudo).

Autoria de Alberto Federman Neto, albfneto 1 – HISTÓRICO DO PROBLEMA: A uns quatro dias, eu estava fazendo um pendrive persistente de Sabayon Linux 14.08 (o último que existiu com 32 Bits), p…

Fonte: Dica: Sabayon Linux. Resolvendo os Problemas de Senhas de Root e Usuário (su e sudo).

Porque um Engenheiro de Redes precisar aprender conceitos de Banco de Dados — Blog CloudCampus Networking Academy

Em post anterior comentamos sobre os questionamentos de alunos dos cursos superiores de tecnologia (CST) em Redes de Computadores sobre os temas abordados no currículo de formação. Na ocasião destinamos todo um post argumentando sobre a necessidade de um Engenheiro de Redes / SysAdmim conhecer programação e as linguagens de scripts. Neste post vamos comentar…

via Porque um Engenheiro de Redes precisar aprender conceitos de Banco de Dados — Blog CloudCampus Networking Academy

VCAP5 exam retirements suspended — VMware Training and Certification

VMware have suspended the retirement of the VCAP5-DCA, VCAP5-DCD, and VCIX-NV exams as I mentioned in this previous post.The new retirement dates will be set when the new VCAP6 exams are released, and from that point you’ll have about 30 days til the VCAP5 exams will be killed off.Note that there’s no mention of the VCPC550…

via VCAP5 exam retirements suspended — VMware Training and Certification

Linux Mint – Parte II – Instalando o VMware workstation Player 12

Fonte:https://www.vmware.com/files/images/vmrc/VMware_logo_gry_RGB_300dpi.jpg

Se você como eu, tem a necessidade de realizar testes, montar e mexer com servidores ou ainda, utilizar programas os quais não foram projetados para a plataforma que você utiliza no seu dia a dia, creio que existe a necessidade de instalação de um gerenciador de máquinas virtuais, até porque nos dias de hoje ter mais de uma máquina física para estudo e trabalho é um luxo pra poucos no país que vivo. Diante dessas premissas, surge a necessidade de escolha de qual o melhor gerenciador de máquinas virtuais (virtual machines), e paixões à parte, utilizei algumas das opções grátis disponíveis no mercado, entretanto por questão de escolha pessoal, ora utilizo o VMWare Player (no futuro posso mudar de opinião, pois tudo é passível de mudança). Lembro-lhes que já o utilizo desde quando usava Ubuntu (ver referências anteriores)
Então como estamos dizendo hoje no mundo do treinamento e desenvolvimento de soluções de TI, passemos à descrição da instalação no Linux Mint, distribuição a qual estou utilizando nesse momento, veja o meu post anterior sobre isso.

Vamos fazer isso da maneira mais prática possível:

1 – Vamos baixar o pacote de instalação no site da Vmware, no endereço abaixo:

https://my.vmware.com/en/web/vmware/free#desktop_end_user_computing/vmware_workstation_player/12_0

2 – Salve numa pasta comum, pode ser a de downloads;

3 – Como ele é baixado com um nome bem grande e uma extensão do tipo *.bundle, achei melhor renomeá-lo para um nome mais curto, já que vamos comandar no shell (modo texto) para isso, abra o terminal, navegue até a pasta download e comande:

$ ls *.bundle
VMware-Player-12 .0.1-3160714.x86_64.bundle

$ mv VMware-Player-12\ .0.1-3160714.x86_64.bundle  VMware.bundle

$ls *.bundle

VMware.bundle

4 – Agora comandaremos ainda no modo texto a instalação, primeiramente tornando o arquivo *.bundle executável, para que o mesmo cumpra bem sua missão para o qual foi designado, seguem os comandos:

$ chmod 777 VMware.bundle

4.1 – o resultado é que o mesmo passará a ter aquela cor verde de executável (eu uso o shell puro) e a aparência deverá ser mais ou menos assim:

Screenshot at 2016-02-14 12:02:21

 5 – Agora iniciamos a instalação propriamente dita, comandando o arquivo VMware.bundle para que rode seus scripts, para isso recorremos aos poderes do super usuário (sudo = super user do it) e colocando o ‘./’ que sinaliza que queremos a execução daquele arquivo, veja abaixo:

$ sudo ./VMware.bundle

Extracting VMware Installer…done.

5.1 – Após a extração dos arquivos, começamos a ver as telas gráficas normais de instalação:

Screenshot at 2016-02-14 12:04:20

Tela de instalação inicial com seleção de aceitar os termos.

Screenshot at 2016-02-14 12:05:02

Tela na qual solicita a informação de uma chave de licença, não precisa informar nada, clicar em “Next”

Screenshot at 2016-02-14 12:05:08

Tela indicando que a instalação será iniciada com componentes, deve-se clicar em “Install”

Screenshot at 2016-02-14 12:08:43

Tela indicando que a instalação foi um sucesso!

6 – Após a instalação se você tiver a curiosidade de clicar no menu geral do Linux Mint (eu uso a versão Mate), e digitar em pesquisar “vmware” já verá o ícone do nosso programa lá, como criar ícone na área de trabalho é muito simples não detalharei aqui (até porque não uso), mas ao clicarmos pela primeira vez no mesmo nos é apresentada uma tela de registro de e-mail, coisa simples e inofensiva, como abaixo:

Screenshot at 2016-02-14 19:54:30

 

7 – Logo a seguir o programa propriamente dito está em operação, pronto pra serem criadas as máquinas que desejamos trabalhar e/ou importar de outros gerenciadores (na verdade migrei as minhas de outra plataforma).

Screenshot at 2016-02-14 19:55:02

 

Em resumo, não há muito mais que se possa dizer, a não ser como o próprio pessoal da VMware diz: “Hands on”. Bom trabalho e See You Later.

Fonte: VMware Workstation 12 Player for Linux Documentation Center

A Adoção e Migração para o Linux Mint – Parte I

linux_mint_label_1Há algum tempo estou em trabalho de migração do ambiente windows para o linux, não tem sido uma tarefa fácil haja vista a dificuldade que havia em compatibilizar minhas atividades laborais, acadêmicas e pessoais diárias à grande gama de aplicativos utilizados no ambiente da gigante de Redmond. Ocorre que ao longo desta migração e após testar algumas distros amigáveis, outras nem tanto, decidi me ater à distribuição Linux Mint em ascensão e que parece possuir um ambiente estável, amigável e seguir os ditames da corrente Debian/Ubuntu.

Nos próximos posts estaremos demonstrando como instalar e configurar alguns aplicativos considerados básicos, além de ferramentas imprescindíveis para o desenvolvimento de trabalhos do tipo office, CAD e etc. Siga-nos e estaremos construindo o conhecimento através dessa ferramenta de colaboração, que fará com que nos aperfeiçoemos cada dia mais e mais. See You later. 😉

%d blogueiros gostam disto: