Creed – Nascido para lutar.

Creed-07

Assistir Rocky Balboa (Sysvester Stallone) em mais uma das suas incursões ao mundo do boxe parece um tanto quanto nostálgico, mas dessa vez não estamos assistindo à reprises dos Rockys anteriores e sim, vendo a história de um sexagenário que treina o filho do que foi o seu maior rival, e amigo. É a história repetindo seu ciclo, agora Rocky (Sly) troca de papel e é o ex pugulista velho e treinador e Adonis Creed (Michael B. Jordan) é boxeador novato em busca de um sonho de conquista. Mas num final supreendente teremos a sensacional revelação de que nem tudo é por uma simples ira interior, ou incompreensão, mas sim para provar que na vida somos aquilo que acreditamos e lutamos e nunca aquilo que disseram ou mostraram de nós. Não somos um erro, temos uma identidade que é que somos “nascido para lutar”.

See you later 🙂 !

Fernando “Eagle” de Sousa.

Ficha Técnica:

    • Michael B. Jordan – Adonis Creed
    • Silvester Stallone – Rocky Balboa
    • Tessa Thompson – Bianca
    • Phylicia Rashad – Mary Anne Creed

Direção: Ryan Coogler

filme-Creed

Resolvendo o problema do VMware Player no Ubuntu 15.04 Vivid Vervet.

Como coloquei pra funcionar o VMWare Player após migrar do Ubuntu 14.04 LTS para o 15.04 Beta

Sendo este minha contribuição a título de artigo sobre GNU/Linux, gostaria de fazê-lo de forma simples e clara. Meu problema começou quando efetuei a atualização do Ubuntu 14.04 LTS para a versão 15.04 Beta (Vivid Vervet), ouvi falar muito bem da atualização e fiquei entusiasmado com a possibilidade de contribuir para o projeto.

Após a atualização(que demorou um pouco devido à minha conexão), passei a efetuar as verificações de praxe, se a placas de rede e vídeo estavam operacionais, principais programas funcionando e aproveitando para testar a performance do sistema em si. Ocorre que quando coloquei pra rodar o VMware Player o mesmo não inicializava, apresentava uma mensagem em alerta:

“Before you can run VMware, several modules must be compiled and loaded into running kernel.” Com as opções “Cancel” ou “Install”.

Como todo entusiasta escolhi a opção “Install” (Eu e todo mundo que se deparou com isso pelo que eu pesquisei na net), após uma série de processamento demonstrado numa caixa de diálogo terminava sempre em “Unable to start services. See log file /tmp/vmware-root/vmware-modconfig-****.log for details.” (foram vários desses logs). Pergunta daqui, pesquisa dali, testei diversas soluções postadas aqui mas com outras versões, porém sem sucesso, até que localizei na web (no site: https://wiki.archlinux.org) o problema e a solução descrita abaixo, depois de resolvida, parece muito simples.

Ao que parece já é um problema conhecido do pessoal do site (diversas ligações externas em hiperlinks), o kernel 3.19 do Ubuntu 15.04 causa uma falha de criação da conexão virtual para que o Vmware Player possa funcionar com perfeição, desse modo criou-se um patch para essa correção (você pode acessar e ver aqui: http://pastie.org/9934018) que deve ser aplicado conforme passo a descrever:

1 – Baixe o patch na pasta /tmp digitando no terminal:

$ curl http://pastie.org/pastes/9934018/download -o /tmp/vmnet-3.19.patch

2 – Acesse a biblioteca do vm e extraia o arquivo vmnet conforme a seguir:

$ cd /usr/lib/vmware/modules/source

# tar -xf vmnet.tar

3 – Aplique a correção:

# patch -p0 -i /tmp/vmnet-3.19.patch

4 – Recrie o arquivo:

# tar -cf vmnet.tar vmnet-only

5 – Remova os arquivos de sobra:

# rm -r *-only

6 – Recompile os módulos:

# vmware-modconfig –console –install-all

Pronto. O VMware Player voltou a funcionar e startou a apliance que eu tinha anteriormente, espero que possa ter sido de grande valia a todos. See you later 😉

Fernando “Eagle” de Sousa

VM_Funcionando

O LÚDICO APLICADO À MATEMÁTICA: Aplicações de jogos para o processo de ensino-aprendizagem

http://metodosupera.com.br/wp-content/uploads/2013/10/O-papel-dos-jogos-na-aprendizagem.jpg

SAÚDE MENTAL

A aplicação de jogos no processo de construção do ensino, tem sido tratada de forma intensiva nos meios pedagógicos. Tais discussões baseiam-se em experiências de campo, onde indivíduos que aprenderam através de jogos tiveram excelentes resultados na assimilação do conhecimento.

Jogos estão presentes desde o início dos tempos, portanto é natural incorporá-los ao processo de ensino-aprendizagem, guerreiros eram treinados através de jogos, futuros líderes no oriente já o faziam desde cedo então, aprender brincando seria parte natural do processo.

https://ensfundamental1.files.wordpress.com/2010/05/jogos-educativos-011.jpg

jogos-educativos-011.jpg

Quando jogamos nosso intelecto se concentra no objetivo do jogo, desenvolvemos conexão com outras áreas do conhecimento e ficamos focados, nos concentramos em ganhar o prêmio, nesse caso, a aprendizagem.

Então, diante de tudo isso, vamos jogar? See you later! 😉

Fontes:

http://revistaescola.abril.com.br/formacao/palavra-de-especialista-jogo-lugar-aprendizagem-matematica-736504.shtml

https://ensfundamental1.wordpress.com/287-2/

http://metodosupera.com.br/saude-mental/saude-mental/

http://br.monografias.com/trabalhos3/aplicacao-jogos-pedagogicos-aulas-matematica/aplicacao-jogos-pedagogicos-aulas-matematica2.shtml

http://www.pucrs.br/famat/viali/tic_literatura/jogos/1948-8.pdf

http://editorarealize.com.br/revistas/fiped/trabalhos/6351bf9dce654515bf1ddbd6426dfa97.pdf

Análise do Filme “Coach Carter – Treino para a vida”.

Coach_Carter_posterDurante um dos diversos treinamentos sobre liderança e qualidade no serviço público, um instrutor me apresentou um filme do qual eu tive pouco interesse, mas como a vida é uma quebra de paradigmas fomos desafiados a efetuar uma análise do filme no qual figuram grandes nomes do cinema americano, o qual passo a descrever aquele que me foi um dos mais prazerosos trabalhos desse curso:

1 – Introdução.

  1. 1 – O que o filme:

Trata-se de um filme americano baseado na história real da intervenção do treinador Ken Carter (Samuel L. Jackson) no time de basquete do ginásio Richmond, sua antiga escola e onde bateu vários recordes tendo assim feito seu nome na cidade.

  1. 2 – Do que fala o filme:

Agora já estabilizado e dono de uma loja de artigos esportivos, Carter não tem porque sair da sua zona de conforto para se meter a treinador de uma equipe de garotos problemáticos de uma área pobre e violenta da cidade, mas aceita o desafio, pois crê que pode fazê-los ir além daquilo todos esperam que façam (isso é mencionado várias vezes no filme). Para Carter o “esporte (basketball) é um privilégio e deve ser merecido, por alunos que freqüentem as aulas e tirem notas excelentes”.

 

2 – Mensagens transmitidas pelo filme:

  1. 1 – Desprendimento para começar um projeto – Logo no começo quando é convidado a assumir o time de basquete, o Sr. Carter não vê apenas como uma oportunidade de conciliar uma atividade secundária com uma atividade principal, ele realmente vê como um novo projeto a ser tocado, para tanto se dispõe a desprender-se da sua loja por um tempo e empreender naquele projeto que pra ele é mais do que levar uma equipe de basquete a vencer jogos do campeonato estadual, ele quer fazer aqueles garotos vencerem na vida!

 

  1. 2 – Método de trabalho – De imediato o Sr. Carter mostrou logo a que veio, determinou que estava no controle da situação e inovou ao celebrar um contrato de parceria com seus treinandos e responsáveis, dessa forma fazendo com que o principio básico da teoria geral dos contratos se estabelecesse: pacta sunt servanda. (contrato faz lei entre as partes), dessa forma temos:
  2. 2.2.1 – Deveres e obrigações: fazendo com que os jovens aprendam que na vida tudo tem um dever e uma obrigação e nada é dado de graça, e que toda transgressão tem consequemente uma penalidade (ex. chegar atrasado implicaria em mais exercícios físicos);

 

  1. 2.2 – Forma de tratamento e vestimenta: os garotos não se viam como pessoas importantes e, portanto não se tratavam como “Senhores” ou se vestiam adequadamente, colocando-os a falar e se vestir corretamente ele os fez se verem de uma forma melhor. Eram pessoas melhores do que jamais pensariam em ser e um simples pedaço de papel foi o pontapé inicial;

 

  1. 2.3 – Se tornavam pessoas de responsabilidade: agora como responsáveis pelos seus atos, eles entenderiam que as decisões que tomamos na vida, durante a vida toda, não são culpa da condição econômica da qual nascemos, da classe social ou ainda de outras pessoas que nos conduziram ao sucesso ou fracasso, mas sim da nossa própria responsabilidade, pois se quebrassem o contrato seriam penalizados e apenas poderiam responsabilizar-se a si mesmos pelo ocorrido.

 

2 – Estilo de liderança: O estilo inconfundível é o autoritário e não há como agir diferente diante de rapazes que nunca antes haviam experimentado os três pilares da marcha vitoriosa:

 

  1. 1 – Hierarquia – os rapazes nunca antes haviam encarado a situação de se submeter a receber ordens e instruções, quando ele os colocou em situação de serem liderados sob um comando firme eles começaram a entender uma das maiores verdades da vida: sempre existirá alguém em um posto imediatamente superior;

 

  1. 2 – Doutrina – havendo uma hierarquia deve-se aplicar a doutrina (ensinamento) básica o avanço da marcha rumo à vitória, esse ensinamento no filme passa por: condicionamento físico, ensaios de ataque e bloqueio e etc;

 

  1. 3 – Disciplina – havendo hierarquia e doutrina o desrespeito a essas instituições levará fatalmente à aplicação de sanções e penalidade, coisa que o americano e australiano gosta de dizer: “crime e castigo”.

 

 

3 – Ferramentas e Instrumentos de Trabalho: Carter se vale de diversas ferramentas para atingir o objetivo principal que não era apenas fazê-los uma equipe vencedora, ele queria mais e essa deve ser a visão do líder de sucesso! Sempre melhorar o estado das coisas, sem, contudo estabelecer metas e objetivos absurdos, senão vejamos:

  1. 1 – nomenclatura dos ataques e defesas: quando ele nomeia os ataques e formas defensivas com os nomes das suas irmãs, ele está dando singularidade e individualidade a cada ação, é importante termos em mente que cada processo deve ter uma denominação específica para que comuniquemos de forma clara e objetiva à equipe aquilo que queremos que seja feito, sob pena de depois ouvirmos aquele sonoro “não entendi bem o que você queria”;

 

  1. 2 – verificação de quantidade de erros e acertos: quando todos poderiam pensar que eles estavam avançando no campeonato estadual e entrar em euforia, Carter nos ensina que antes de comemorar as vitórias devemos primeiro fazer um balanço dos números de erros cometidos até então, para que possamos subtrair das vitórias e ver qual o real tamanho da conquista ou avanço da nossa coluna;

 

  1. 3 – Ensino a não subestimar o objetivo a ser conquistado (ter o pé no chão): quando os rapazes já estavam se achando os invencíveis e até chacotas faziam dos adversários, Carter nos mostra que quanto mais alto subimos mais dignos devemos nos portar, de forma que entendamos que todos tem importância no processo de vida, e mesmos aqueles a quem já superamos quer seja em conhecimento ou em postos de trabalhos também merecem respeito e se deve conquistar a admiração.

 

4 – Disposição para pagar o preço para alcançar o objetivo: Creio que uma das mais importantes lições que o filme nos passa é a de que o Treinador Carter (O “coach” do filme) estava disposto a pagar qualquer preço que fosse o mais alto que estivesse cotado para atingir seu objetivo, senão vejamos:

 

  1. 1 – Se tornou impopular ao fechar o ginásio da escola até que seus treinandos obtivessem as notas acordadas no contrato inicial;

 

  1. 2 – Teve sua loja depredada por vândalos por assumir a posição do item anterior;

 

  1. 3 – Teve sua autoridade contestada pelo conselho de educação da escola Richmond, não se dobrando ao vento das idéias contrárias.

 

 

5 – Conclusão:

O filme não conta uma história dos livros de fadas e encantos com um final feliz de vitórias da equipe, mas sobre a formação de seres humanos que antes só dispunha de uma visão da vida e do mundo e estavam fadados ao fracasso herdados de seus antepassados, mas que depois puderam escolher seus próprios caminhos de vitórias e derrotas pessoais a partir da experiência que tiveram a partir de então. Creio que todos nós assinamos contratos todos os dias com nossos sonhos e objetivos, vamos colocá-los em prática ou apenas amassá-los e jogá-los no fundo da gaveta?

See you later 🙂 !

Fernando “Eagle” de Sousa.

Ficha Técnica:

Direção: Thomas Carter

 

Economista aposta em economia de baixo carbono com inclusão social

Para Marcus Eduardo de Oliveira, essa é a única salvação para a economia brasileira

Do site: rioverdeagora.com.br

Pelo menos até a primeira metade do século 21, obrigatoriamente, deverá ocorrer à transição para uma economia de baixo carbonoEconomista que incorpore a dimensão social. “Será isso a nossa salvação, caso queiramos continuar dando o ar de nossa graça por aqui”. Isso é o que defende, em recente entrevista, o economista paulista Marcus Eduardo de Oliveira, especialista em Política Internacional e autor de vários artigos sobre a relação entre a economia e a ecologia.

Economia de baixo carbono faz referência à busca de menores impactos sobre o clima global, buscando alternativas energéticas, reduzindo emissões de gases e procurando a sustentabilidade.

“Já perdemos muito tempo menosprezando a atividade econômica que promove a destruição ambiental em prol de uma economia que enaltece apenas e tão somente o produto e o mercado e desdenha, sobremaneira, da condição de vida das pessoas”, diz Marcus de Oliveira.

“A cada dia que passa se faz necessário alertar a opinião pública de que uma transição para a economia verde é a nossa única salvação”, reitera o economista. “Já fomos muito incompetentes no trato dos recursos naturais, e já passou da hora de virarmos esse jogo. Produzir a qualquer custo já não faz o menor sentido. Isso é parte de um modelo econômico que se mostrou completamente fracassado e criminalmente assustador, cujos resultados estão expressos aí, nessa completa desestruturação climática”.

O modelo econômico moderno, nas palavras do professor de economia Marcus Eduardo de Oliveira, deve, necessariamente, “incorporar inovação tecnológica e desenvolvimento de produtos com menor emissão de gases. Chegou a hora de todos os países viverem sob a era da ´descarbonização´”.

Para isso, o modelo mais plausível e urgente é “adotar medidas que diminuem a produção de eletricidade oriunda de termoelétricas de carbono e encontrar energias renováveis, como a nuclear, a eólica, a solar fotovoltaica, por exemplo. O fato é que não podemos mais desperdiçar energia”, diz o economista.

Desperdício de recursos
No caso específico do Brasil, o economista chama a atenção para o enorme desperdício de água e energia. Uma simples torneira pingando consome 1400 litros de água por mês. Marcus de Oliveira aponta um dado estarrecedor: “De toda a água produzida no País, 46% são “perdidas” pelos ralos. Na Europa, essa perda não chega a 10%. Isso além de ser um crime ambiental é um risco para todos nós”.

De acordo com a Agência Nacional de Águas (ANA) são retirados dos rios e do subsolo no Brasil 840 mil litros de água a cada segundo. Desse total retirados dos mananciais brasileiros, 69% vão para a irrigação, contra 11% para o consumo urbano, 11% para o consumo animal, 7% utilizados pelas indústrias e 2% pela população rural. Nesse aspecto, o economista salienta que “um percentual considerável de perdas estão nas cidades brasileiras que possuem redes malconservadas. Há casos conhecidos de cidades que chegam a perder até 75% de água”.

Não muito diferente disso é que se perde em relação à energia, tanto no uso residencial quanto no industrial. O economista alerta que ao combater o desperdício de água estamos ao mesmo tempo combatendo a perda de energia, uma vez que a luz e a água são recursos naturais que estão diretamente interligados. “Não podemos perder de vista que as usinas geradoras de quase toda a eletricidade consumida no Brasil são hidrelétricas”.

Para Marcus de Oliveira, “o verdadeiro desenvolvimento só pode ser considerado viável se contemplar o respeito ao meio ambiente, resguardando o aspecto social. Por isso, o que chamamos hoje de economia verde só faz sentido se incorporar a dimensão social, daí a importância do termo economia verde inclusiva. Adotar esse modelo de baixo carbono com uma economia voltada a atender os graves conflitos sociais é a nossa única salvação”. Por fim, o economista ainda ressalta que “se os principais países não buscaram estratégias para dirimir a grave crise social e ambiental o futuro de todos estará em risco”.

Fonte: http://www.rioverdeagora.com.br/noticias/cidade/economista-aposta-em-economia-de-baixo-carbono-com-inclusao-social

Bebê nasce com coração batendo fora do corpo e sobrevive à cirurgia

Do UOL, em São Paulo

Crédito: Texas Children’s Heart Center/Divulgação

Um bebê que nasceu com o coração batendo fora do seu corpo sobreviveu à cirurgia, divulgou nesta semana o Hospital Infantil do Texas, em Houston, nos Estados Unidos. Segundo a equipe médica, Audrina Cardenes está na sua quinta semana de vida após vencer as dificuldades de uma operação que colocou o órgão para dentro.

A menina sofre de ectopia cordis, uma doença rara em que o coração se desenvolve para fora do peito, parcialmente ou totalmente, e atinge 1 em cada 8 milhões de bebês no mundo. Segundo o hospital, cerca de 90% desses casos são natimortos ou morrem cerca de três dias depois do nascimento.

A mãe optou em fazer a cirurgia de risco após descobrir o problema no pré-natal, quando ainda estava na 16ª semana de gestação – os médicos ofereceram outras opções, como o aborto e cuidados médicos durante a gravidez. Ela se mudou, temporariamente, de Midland para a capital do Texas para ficar mais próxima de um hospital capaz de fazer essa operação bastante complicada – ela envolve cirurgia cardiovascular, plástica entre outros procedimentos de uma só vez.

Charles Fraser Jr, que comandou a cirurgia de seis horas, diz que o futuro de Audrina é “ainda incerto”, mas que ela tem “progressos a cada dia” e que será acompanhada pela equipe de pediatria do centro cirúrgico.

“Audrina é uma verdadeira batalhadora, e nós estamos esperançosos de que ela continuará com este progresso. Também tenho esperanças de que o caso dela marque o início da nossa capacidade em cuidar de mais crianças diagnosticadas com ectopia cordis no futuro.”

Fonte: http://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2012/11/21/bebe-nasce-com-coracao-batendo-fora-do-corpo-e-sobrevive-a-cirurgia.htm

Setembro chegou!

Setembro chegou, e com ele muitas mudanças, muitas nuances e decisões. Passarei a escrever sobre diversas coisas, sobre como eu vivo a vida e como vivi até aqui.

Uma visita à Área de Preservação Ambiental do Itapiracó (APA) – São Luis – MA

O Convite

Num belo dia, desses nos quais você tem a sorte de ser convidado a ir a um lugar agradável, cheio de vida e relaxante, aconteceu, fui chamado a acompanhar a visita de um grupo de estudantes de um colégio da capital a uma Área de Preservação Ambiental (APA),

O Local

Localizada na área do Itapiracó, próximo à Av. São Luis Rei de França, fundos com o Conj. COHATRAC.(vide fotos), é um local onde podemos observar um pouco da natureza que outrora cobria toda “upaon açu” (nome original da ilha de São Luis). Onde se localiza o Batalhão de Polícia Ambiental do Estado do Maranhão.

O Desdobramento

APA_01

Chegada à APA

Ao chegar ao local, devidamente credenciado, fomos recebidos pelo pessoal da brigada mirim de preservação ambiental, nesse ínterim, participamos do hasteamento das bandeiras nacional e estadual, num ato que incutiu e reforçou os ideais de cidadania e civismo. Como se sabe, esse país já foi uma nação anteriormente, e creio um dia voltará a ser novamente, quando os jovens de hoje se criado corretamente vierem a se tornar cidadãos, esperemos que sim, por isso apoio idéias como essa. Foi um momento lindo no qual os garotos e garotas cantaram o hino desse estado maravilhoso que é o Maranhão: ” Salve pátria, pátria amada Maranhão, maranhão berços de heróis Por divisa tens a glória Por nume nossos avós” e o hino nacional brasileiro, sem par, em seu estribilho: “Gigante pela própria natureza, És belo, és forte, impávido colosso, E o teu futuro espelha essa grandeza.”

Após essa nota introdutória, fomos conduzidos a uma área coberta onde os militares do Batalhão Ambiental proferiram uma palestra sobre o histórico dos Batalhões de Polícia Ambiental, especialmente o da PMMA (click neste link). Da missão, resgate de animais silvestre em situação de cativeiro, fiscalização de extração e transporte de madeira ilegal (ah! se eles passassem um tempo fiscalizando ali próximo à umas aldeias conhecidas nossas), operações embarcadas para patrulhamento do Parcel de Manoel Luis, contra embarcações de pesca predatória ilegal, entre outras.

Seguindo-se a isto, fomos encaminhados a um passeio supervisionado pelas trilhas da APA, onde pudemos observar que:

APA_passeio

Passeio supervisionado APA

1 – Parte da mesma encontra-se invadida por posseiros que, na sua grande maioria, não são necessitados de moradia e sim grileiros, pois dadas as proporções das edificações nos mostravam que a área era grande, e talvez possuíssem instalações de luxo dentro como piscinas e campo de futebol privativo (não nos foi possível fazer levantamento visual pois os muros eram imensos);

2 – A população adjacente ao terreno da APA tem poluído a mesma jogando resto de material  construção, bem como dejetos nos rios que cruzam a região.

Diante de tal observação, nos foi dito que passeio como esse tem o obejtivo de também incentivar a população a buscar alternativas de preservação desse espaço, tão necessário à preservação da vida nas grandes cidades, o que ainda não é o caso da nossa.

As Conclusões

A conclusão a que chegamos após o passeio são as seguintes:

APA_03

Invasao na APA Itapiracó

a) O pessoal do Batalhão de Polícia Ambiental da PMMA trabalha arduamente para executa sua missão de “Fiscalização dos recursos ambientais, a proteção dos bens e direitos de valores artísticos, estéticos, turísticos, paisagísticos e outros de interesse difuso, desenvolvendo atividades educativas, contribuindo para a implementação da Política Estadual de Preservação Ambiental.”

b) A área em questão, deveria ser bem melhor aproveitada, com incentivos da iniciativa privada de forma a transformá-la em área de visitação permanente, com cobrança inclusive de pedágio onde esses valores seriam revertidos para os melhoramentos necessários à própria região.

c) A delimitação da mesma deveria ser clara e visível de forma a inibir e coibir os invasores, quaisquer que fossem eles, de tal forma que até as construções já existentes dentro da área fossem removidas, para dar espaço ao que realmente dispões o dispositivo legal que a instituiu.

APA_04

Entrada da APA

Finalmente, creio que áreas como essa deveriam ser estimuladas, criadas e preservadas, mas o que vemos é que a febre da especulação imobiliária, da politicagem desenfreada sem uma política de desenvolvimento urbano adequado, tem levado à construções de grandes empreendimentos, prédios públicos e avenidas em detrimento destas áreas. Fica o alerta, até quando São Luis aguentará tais ingerências? Só o tempo dirá, ou um estudioso no assunto poderá assim responder. Até a próxima amigos. See you later 😉

A seguir algumas fotos selecionadas, outras não pude postar por não dispor de autorização por escrito(nem verbal) dos órgãos em questão.

Riacho_APA

Instrução_APA

Ponte da Juçara_APA

Mapas mentais – ferramentas da sua inteligência

Mapas mentais – ferramentas da sua inteligência.

Achei interessantíssimas essas ferramentas, dentro de alguns dias estarei postando, a Deus querer, minha impressões em relação a isto. 😉 Se you later.

Fonte e Créditos: http://www.mapasmentais.com.br/

%d blogueiros gostam disto: